• EN
  • Ajuda Contextual
  • Imprimir
  • Facebook
  • Instagram
  • Youtube
  • LinkedIn
Você está em: Início > Cursos > Unidades Curriculares > 23MIS2306

Estudo Aprofundado do Fenómeno da Ressocialização


Código: 23MIS2306    Sigla: EAFR
Áreas Científicas: Ciências Sociais/Serviço Social

Ocorrência: 2023/24 - 2S

Cursos

Sigla Nº de Estudantes Plano de Estudos Anos Curriculares Créditos Horas Contacto Horas Totais
MISIJR 16 Aviso nº 14192/2023, de 27 de Julho 6 ECTS 30

Horas Efetivamente Lecionadas

1TMISIJ

Teórico-Práticas: 18,00
Inquéritos: 0,00

Docência - Horas

Teórico-Práticas: 2,00
Inquéritos: 0,00

Tipo Docente Turmas Horas
Teórico-Práticas Totais 1 2,00
Sara Cristina Dias Melo   2,00

Objectivos, Competências e Resultados de aprendizagem

Objetivos de aprendizagem

OA1. Compreender o Desenvolvimento da Vinculação e a sua influência na identidade e no auto-conhecimento;
OA2. Conhecer as características do Desenvolvimento Psico-Social do adolescente e os processos envolvidos na construção da Identidade e de seus Estatutos;
OA3. Apreender as inter-relações entre Dinâmicas Familiares e a emergência de comportamentos anti-sociais na adolescência;
OA4. Compreender o fenómeno da marginalização social/comportamentos anti-sociais na adolescência a partir do olhar sociológico;
OA5. Conhecer contributos teórico-metodológicos da psicologia e da sociologia que suportam os processos de (re) socialização de adolescentes em risco;

Competências

Estar apto a refletir os conhecimentos teóricos e operacionalizar os conceitos relativos às problemáticas em estudo;
Estar capacitado para o uso adequado de instrumentos técnicos a mobilizar nas áreas alvo de conhecimento e de intervenção;
Estar capacitado para exercitar aptidões de relacionamento e integração profissionais (no domínio das Soft Skills). 

Programa

CP1 Vinculação e representação da Vinculação na Adolescência
1.1 John Bowlby e a Teoria da Vinculação
1.2 Contributo de Mary Ainsworth na investigação da vinculação na infância
1.3 O trabalho de Mary Main e a investigação sobre a vinculação na adolescência e idade adulta
CP2. Desenvolvimento Psico-Social, Identidade e Estatutos
2.1 Erickson e o Desenvolvimento Psico-Social: adolescência, conflito e crise de identidade
2.2 James Marcia, as Fases da formação da Identidade e seus Estatutos
CP3. Modos de Vida e Sistema Familiar: comportamentos de risco e exclusão social
3.1 Perspetiva Sistémica: definição de Família, subsistemas e funções parentais
3.2 Modelos comunicacionais, estilos educativos e práticas parentais
3.3Modos de Vida e Problemas Sócio Emocionais: comportamentos de risco vs. Comportamentos de adaptação
CP4. Comportamento anti-social e desvio: olhares sociológicos
4.1 Durkheim e a Teoria da "anomia"
4.2 Merton e a tipologia do comportamento anómico
4.3 Cohen e Cloward & Ohlin e a produção social das subculturas desviantes
4.4 Interaccionismo simbólico, Erwing Goffman e a labeling approach: Howard Becker
CP5. Socialização, Ressocialização e Reconstrução Identitária
5.1 Teoria da Aprendizagem Social e Modificação Cognitivo Comportamental de adolescentes e adultos
5.2 A Estrutura de Plausibilidade e os Outros Significativos na reconstrução da identidade - aplicação ao processo de aprendizagem escolar

Demonstração da Coerência dos Conteúdos Programáticos com os Objetivos da UC

Os tópicos enunciados em CP1, CP2, CP3 e CP4 estão orientados para permitir aos estudantes atingirem respetivamente OA1, OA2, OA3 e OA4. Adicionalmente, os dois tópicos referidos em CP5 pretendem estimular a aprendizagem dos estudantes sobre matérias que permitem alcançar OA5. 

Bibliografia Principal

Alarcão, M. & Gaspar, M. F. (2007). ;Imprevisibilidade Familiar e suas Implicações no Desenvolvimento Individual e Familiar. Paidéia, 17(36), 89-102.
Becker, H.S.(1980).;Outsiders (Uma teoria da acção colectiva), Études de sociologie de la deviance. Rio de Janeiro.
Caridade, S. M. M., Martins, A. C., & Nunes, L. (2019). ;Estilo de vida dos adolescentes e jovens adultos e comportamentos desviantes e delinquentes: Das vivências familiares, escolares e individuais.
Erikson, E. (2018). ;Erik Erikson e a construção da identidade, Educação, Janeiro-Fevereiro, edição nº 246, S. Paulo, Brasil.
Gonçalves, M. M., & Gonçalves, O. F. (2001). ;Psicoterapia, discurso e narrativa: A construção conversacional da mudança. Quarteto.
Gonçalves, O. (1990). ;Terapia comportamental: Modelos teóricos e manuais terapêuticos. Porto: Edições jornal de psicologia.
Herpin, N. (1982). ;A Sociologia Americana, capítulo VI, Porto, pps. 107 a 152
Jongenelen, I. et. al. (2015). ;Vinculação na adolescência, Relações de vinculação ao longo do desenvolvimento, capítulo III, pp.99-121, Psiquilíbrios, Braga.
Luchmann, T. & Berger, P., (2010). ;A construção social da realidade, Lisboa.
Marcia, J. E. (1966). ;Development and validation of ego-identity status. Journal of Personality and Social Psychology, 3, 551-558.
Pinto, M. L. M. C. (2006).;Relações de Vinculação e vulnerabilidade ao consumo de drogas, Trabalho académico produzido no âmbito do Doutoramento em Ciências do Serviço Social(2010), ICBAS, UP, Porto
Zazzo, R. (1974). ;A Vinculação ¿ Uma nova Teoria sobre a origem da afectividade in A Vinculação- ¿Attachement¿, Anzieu, D., Bowlby, J. at all, Scocicultur, Lisboa

Bibliografia Complementar

Alarcão, M. (2000). ;(Des)Equilíbrios familiares: Uma visão sistémica. Coimbra.
Benavente, R. (2002).;Delinquência juvenil: Da disfunção social à psicopatologia, Análise Psicológica, 4 (XX): 637-645
Costa, M. E. (1986). ;;Estatutos de identidade em estudantes universitários. Provas de Aptidão Pedagógica e Capacidade Científica. Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação da Universidade do Porto.
Erikson, E., (1999). ;Psicologia do Adolescente ¿ Uma Abordagem Desenvolvimentista, capítulo V, Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa.
Guimarães, J. V. (2012). ;Autoconceito, Autoestima e Comportamentos Desviantes em Adolescentes. Tese de Mestrado: ISPA - Instituto Universitário de Ciências Psicológicas, Sociais e da Vida.
Soares, I. et. al. (coordenação), (2015). ;Relações de Vinculação ao longo do Desenvolvimento, Psiquilíbrios, Braga.
Vaz Serra, A., et al., (1986). ;;Autoconceito e ansiedade social, Psiquiatria Clínica, 7 (2), pp. 103 a 108.

Métodos de Ensino

Esta UC organiza-se em aulas com componente teórico-prática. As metodologias de ensino utilizadas terão um cariz mais expositivo (ME1), concebendo-se, no entanto, a possibilidade de recorrer a metodologias que apelem a uma participação ativa dos estudantes através do seu envolvimento na pesquisa de artigos científicos e exposição em aula (ME2). 


Modo de Avaliação

Avaliação distribuída com exame final

Componentes de Avaliação e Ocupação registadas

Descrição Tipo Tempo (horas) Data de Conclusão
Participação presencial (estimativa)  Aulas  30
  Total: 30

Avaliação Contínua

A modalidade de Avaliação é distribuída. A avaliação consistirá na realização de uma reflexão escrita individual sobre um dos temas abordados no conteúdo programático (50% da nota final), e na exposição oral em grupo de um artigo pesquisado pelos estudantes (50% da nota final), 

Avaliação Final

Exame Final

Provas e Trabalhos Especiais

Em conformidade com o Regulamento de Avaliação.

Melhoria de Classificação Final/Distribuída

Em conformidade com o Regulamento de Avaliação.

Demonstração da Coerência das Metodologias de Ensino com os Objetivos de Aprendizagem da Unidade Curricular

A ME1, é de natureza mais expositiva e centra-se no conhecimento teórico acerca dos grandes temas da Desenvolvimento da Vinculação, Desenvolvimento Psico-Social e Identidade, Dinâmicas Familiares e Modos de vida marginais, Marginalidade Social/Delinquência Juvenil e Socialização e (Re) socialização. Esta metodologia permitirá aos estudantes atingir os OA1, OA2, OA3, OA4 e OA5. Ao incentivar os estudantes na pesquisa de artigos científicos, ME2 visa contribuir para enriquecer e diversificar os seus conhecimentos teóricos, ter acesso a "boas práticas" no campo da pesquisa e da atividade profissional, promovendo ainda o desenvolvimento de competências de comunicação, de argumentação, de autoeficácia e de reflexividade.