• EN
  • Ajuda Contextual
  • Imprimir
  • Facebook
  • Instagram
  • Youtube
  • LinkedIn
Você está em: Início > Cursos > Unidades Curriculares > GS3203
ATENÇÃO: Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização.

Intervenção Sistémica II


Código: GS3203    Sigla: IS2

Ocorrência: 2023/24 - 2S

Página Web:https://1drv.ms/f/s!Ajm0ypx3E2i8guM5uxJBLPc5vGSq6A
Área de Ensino: Gerontologia Aplicada

Cursos

Sigla Nº de Estudantes Plano de Estudos Anos Curriculares Créditos Horas Contacto Horas Totais
LGS 8 Despacho 6311/08 de 05 de Março 3 ECTS 0 0

Horas Efetivamente Lecionadas

TURMA3

Laboratoriais: 24,00
Inquéritos: 0,00

Docência - Horas

Laboratoriais: 2,00
Inquéritos: 0,00

Tipo Docente Turmas Horas
Laboratoriais Totais 1 2,00
Nuno Márcio de Campos Pires   1,00
Sónia Patrícia Vilar Martins   1,00

Língua de Ensino

Português

Objectivos, Competências e Resultados de aprendizagem

A unidade curricular de Intervenção Sistémica pretende criar um corpo sistemático de saberes e práticas, que visam compreender a realidade dos problemas do sistema utente e das circunstâncias sociais envolventes. De uma metodologia casuística (cada caso é um caso) e personalista (centrado na pessoa e no seu contexto), pretende estimular a consciencialização da importância de ¿ajudar¿ o utente na procura de soluções para do seu problema, através do conhecimento e melhoria da sua situação social e familiar.
Esta unidade curricular pretende também trazer para o Serviço Social uma metodologia de procura de soluções dos problemas do indivíduo num contexto de grupo, compreendendo que os grupos podem ajudar as pessoas nos seus problemas, através da participação do utente nos grupos e comunidades, dando um sentido à vida, incentivando-o a adquirir competências sociais e motivações.
Assim, introduzindo o pensamento sistémico no Serviço Social, oferece-se um modelo de Intervenção em que o Trabalhador Social tenta promover a mudança de uma forma integradora e circular, integrando a componente socioeconómica, psicológica, cultural, familiar e interpessoal do utente, diminuindo um tipo de intervenção simplesmente assistencialista ou linear.

Programa

Ciclo vital da família. Tipologias familiares: famílias nucleares, monoparentais, reconstituídas, etc. Estrutura familiar: hierarquias, limites, alianças e coligações. A entrevista vs a entrevista familiar: como intervir no sistema.

Demonstração da Coerência dos Conteúdos Programáticos com os Objetivos da UC

Com a introdução da visão sistémica pretende-se que os alunos deixem de encarar o problema, como algo individual, compreendendo uma relação de causalidade circular na compreensão dos problemas, tendo em conta todos os fatores envolventes da vida do cliente seja o indivíduo, o grupo ou a comunidade. Introduzindo os pressupostos do Modelo Sistémico, pretende-se promover nos alunos uma perspetiva de análise ¿totalizadora¿ das vivências do utente, que engloba aspetos materiais, culturais e de relacionamento, progredindo da visão individual ou de causa e efeito. Destaca-se com o conhecimento deste modelo a reintegração do pensamento de que quando um dos elementos do sistema sofre uma mudança, irá afetar todo o grupo, sendo que a mudança desses mesmos membros poderá facilitar uma transformação mais efetiva do sistema.

Bibliografia Principal

Alarcão, M. ;(Des)Equilíbrios familiares, uma visão sistémica, Quarteto Editora, 2002
Cabral, Daniel Welton Arruda, & Sales, Camila Maria Del Carlos Pinheiro;Contribuições e implicações da perspectiva dialógica: o self do(a) terapeuta na terapia familiar/de casal, Nova Perspectiva Sistêmica, 28(63), 21-41, 2019
Cesar, C. C. F., Costa, J. S. ;Terapia familiar sistêmica, Londrina: Editora , 2018
Gouveia-Pereira & Pires de Miranda ;Manual de Terapia Familiar: Teoria, avaliação e intervenção sistémica, Pactor, 2021
Pinho, J., Viseu, I., Carvalho, D., Sousa, S., Figueiredo, M. H., & Vilar, A. ;Aplicação do modelo dinâmico de avaliação e intervenção familiar aos cuidados continuados, Revista de Investigação & Inovação em Saúde, 5(2), 9-19, 2022
Sequeira, J., & Alarcão, M. ;Porquê Não Mudam as Famílias? Narrativas de Terapias Familiares de Insucesso, Temas em Psicologia, Vol. 21, nº 1, 203 ¿219 , 2013

Métodos de Ensino

Nesta Unidade Curricular serão utilizadas metodologias diversificadas que visam promover a capacidade de aprendizagem autónoma, contínua e orientada para a concretização dos objetivos referidos. As aulas incluirão uma componente expositiva e metodologias ativas, como a análise e o debate de artigos ou outras fontes científicas e discussão em pequenos grupos sobre a aplicação dos conceitos abordados. Espera-se a exposição de temas a partir de dificuldades encontradas no âmbito do estágio. Poderá recorrer-se à apresentação de trabalhos elaborados pelos alunos, como por exemplo genogramas e mapas sociais. Será foco de análise e recurso de aprendizagem prática a entrevista sistémica, potenciando a neutralidade do trabalhador social e a circularidade da análise do grupo, bem como a visão da intervenção no processo de ajuda baseada no conflito de uma relação não no conflito individual.


Modo de Avaliação

Avaliação distribuída com exame final

Avaliação Contínua

Não aplicável.

Avaliação Final

A avaliação para os alunos em regime de avaliação distribuída consistirá na realização de dois testes individuais escritos, sendo que cada um tem uma ponderação de 50% da nota final.

A avaliação para os alunos em regime de avaliação final consistirá na realização de um exame individual escrito (100% da nota final).

Provas e Trabalhos Especiais

Não aplicável

Avaliação Especial (TE, DA, ...)

De acordo com as normas do Regulamento de Avaliação de Conhecimentos.

Melhoria de Classificação Final/Distribuída

De acordo com as normas do Regulamento de Avaliação de Conhecimentos.

Demonstração da Coerência das Metodologias de Ensino com os Objetivos de Aprendizagem da Unidade Curricular

Com esta unidade curricular pretende-se que os futuros trabalhadores sociais aprendam a fazer uma análise circular do problema por todas as interdependências relacionadas entre si, desenvolvendo hipóteses para a solução do problema tendo em vista a mudança, que por sua vez, ocorre no todo e não numa das partes, esperando que se torne deste modo mais eficaz, por ser uma mudança global e não uma pequena mudança parcial.